10/11/2009

O VENTO



O cipreste inclina-se em fina reverência
e as margaridas estremecem, sobressaltadas.

A grande amendoeira consente que balancem
suas largas folhas transparentes ao sol.

Misturam-se uns aos outros, rápidos e frágeis,
os longos fios da relva, lustrosos, lisos cílios verdes.

Frondes rendadas de acácias palpitam inquietantemente
com o mesmo tremor das samambaias
debruçadas nos vasos.

Fremem os bambus sem sossego,
num insistente ritmo breve.

O vento é o mesmo:
mas sua resposta é diferente, em cada folha.

Somente a árvore seca fica imóvel,
entre borboletas e pássaros.

Como a escada e as colunas de pedra,
ela pertence agora a outro reino.
Se movimento secou também, num desenho inerte.
Jaz perfeita, em sua escultura de cinza densa.

O vento que percorre o jardim
pode subir e descer por seus galhos inúmeros:

ela não responderá mais nada,
hirta e surda, naquele verde mundo sussurrante.


Cecília Meireles
in Mar Absoluto

3 comentários:

  1. eu adorei o seu texto e eu sotenho 8 anos e eu vivo entrando no seu saite eu adoro voce um grande beijo e que voce comtinue escrevemdo muitos textos xau

    ResponderExcluir
  2. olhando a paisagem da página ...ouvindo este violino ... e susurrando as palavras dos poemas ...ah ...Cecília, eu vejo que vc entendia bem sobre o estado de espírito que nos assombra de vez em quando .. e conhecia bem o sentido de cada lágrimas que derramamos.
    Adoro este blog.Parabéns a todos!

    ResponderExcluir

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é